domingo, 9 de dezembro de 2012

"Pra não perder a direção"

Pouca vogal. Foto: Rafael Flores/O Rebucetê

O dia começou como quem queria só um pouquinho de leveza após dias enclaustros. Um encontro esperado, um vinho despretencioso, um lembrar-se do querer ser passado. O dia seguia sem imposição, buscando revelar-se em cada minuto apontado pelo relógio que havíamos interiorizado em horas marcadas e ansiosos compromissos. Refletia e repensava sobre tudo o que nunca mais havia lhe tomado. Assim, nesse dia, ficou séria...bem mais do que quando propôs encontros desecontrados e decepções desveladas. Séria: palavra que a substituia nessa noite que louca procurava se mostrar. Ouvia tantas palavras de Pouca vogal, ouvia-os dizer Por hoje é só/Vou deixar passar a ventania/Talvez amanhã/Vento, vela e velocidade e sentia que aquilo era para sua seriedade, aparentemente sem sentido. Mas eles completavam, em outra canção, dizendo Seja firme seja leve. Então, respirava um pouco para não perdê-la e a noite pedia vez. Vez de dar um tempo e estabelecer novos contatos. Sobre os lençóis, eu me reencontrei e me despi dos sentimentos que timidamente se manifestavam. O sol iria desnudar um outro dia.
 
"Nunca olhei pros lados
Pra não perder a direção
Nem senti meus passos
Na marcha cega
Encontro uma razão" 

[Duca Leindecker/Humberto Gessinger]

Lu Rosário


Esta publicação pertence ao Prosas Poéticas. Todos os textos publicados em forma de prosa e contada de forma poética se encontram aqui. Sinta-se à vontade para conhecer os outros textos concernentes à esta categoria.

 

4 comentários:

♥ Luciana de Mira ♥ disse...

Adorei!

Smareis disse...

Oi Lú,

Quanta beleza nesse texto.
Fizeste uma construção maravilhosa.
Beijos grandes !
Ótima semana!

Anderson Oliveira disse...

Doce mesmo... Cada dia mais, teu fã! Grande beijo!

Dolce Vita disse...

Sempre muito bom ler-te, Lu! Beijos

Copyright © 2014 | Design e C�digo: Sanyt Design | Tema: Viagem - Blogger | Uso pessoal • voltar ao topo