terça-feira, 25 de setembro de 2012

Dos gregos, o beijo.

Dizem que na Grécia Antiga, as mulheres eram tidas apenas como fracas e parideiras e o que mais rolava eram relações sexuais entre homens, aqueles que detinham força e poder. As relações homossexuais eram motivos de orgulho entre os gregos, principalmente quando o ativo da relação lhe era superior. Nesse enrolar que viviam, descobriram o ânus como um local que proporcionava o maior tesão. O ânus é uma região estreita, cheia de terminações nervosas e que, portanto, é super sensível. Sentir uns carinhos e uns beijinhos neste buraquinho que é só seu pode significar o elevar-se ao céu. Já deu para entender o que quero dizer com esse discurso todo, não é? Sim, já deu. As carícias realizadas com a boca no ânus é o que conhecemos como beijo grego. O beijo grego pode ser perfeitamente feito entre pessoas do mesmo sexo ou do sexo oposto, tanto faz. O parceiro ou parceira pode ficar de quatro ou, caso não queira assim, em outras posições que favoreçam o alcance dos lábios e língua na região tão desejada. Fala sério! O ânus quando bem limpinho e cuidadinho é bem bonitinho e proporciona os mais diferentes prazeres. Digo isso porque há quem tenha nojo de lá como se todas as outras coisas que são feitas no sexo fossem hiper limpas. Além deste preconceito em relação ao ânus, há também o dos homens em não deixar a mulher tocar neste lugar tão cobiçado por eles no sexo oposto. Acham que lá só eles podem pegar e o vice versa é errado e coisa de gay. Amigos, macho que é macho sente prazeres em todos os lugares e continua macho...rsrsrs! E meninas, se vocês ainda não experimentaram, peçam ao parceiro para tentar! Eu acho válido todas as formas de amor no sexo.. e você, o que pensa?


Lu  Rosário


Esta publicação pertence à categoria Sexo. Todos os textos publicados sobre essa temática, encontram-se aqui. Sinta-se à vontade para conhecer os outros textos concernentes à esta categoria.

 

7 comentários:

Anderson Oliveira. disse...

Delícia de texto! Eu também concordo que no ato, todo e qualquer desejo se em comum acordo, pode ser realizado. Beijocas!

João Costa Filho disse...

Olá minha menina, como tatu. Quanto tempo! vixe....
Vez em quando bate a mó saudade da menina que coneço desde as fraldas literárias.Tá na cara que gostas de escrever, e bem.
Todos os beijos
João Costa Filho

Anderson J. Silva disse...

kkk tenho que admitir que nós homens temos um pouco de preconceito com o fato da mulher cobiçar essa parte do nosso corpo.
Gostei do seu post, muito interessante!

beijos

http://errosxacertos.blogspot.com.br/

Jaqueline Cristina disse...

Adoro sexo anal, mas não com muita frequência, afinal ele não tem elasticidade para tal, mas dá um tesão desgramado!!!
Nossa, só de pensar fico excitada!
Uau!
Bjoks

Anônimo disse...

Eu adoro ter meu cuzinho, lambido, com dedinho. Isso não me deixa nem um pouco menos homem do que sou.
Abaixo o preconceito. Cu é cu! Existe algo mais lindo que um cuzinho bem lisinho, cheiroso, apertadinho e quentinho?
Não!!!

Lu Rosário disse...

É isso aí, Anônimo!

Maga disse...

Adorei o depoimento do anônimo! Sempre que um parceiro clama por sexo anal proponho o fio terra. Ora: se ele alega que é tão prazeroso pra mim, deve ser pra ele também, que tem as mesmas terminações nervosas que eu nessa parte tão peCUliar da anaLtomia! haha
beijo, Lu!
Linda e Quente como sempre!

Copyright © 2014 | Design e C�digo: Sanyt Design | Tema: Viagem - Blogger | Uso pessoal • voltar ao topo