quinta-feira, 20 de setembro de 2012

Límpida


Nascera imensa,
tornou-se flor diminuta

Não a regaram,
talvez cuidados para não a deixar falar

Enfim,
morrera frívola.


Lu Rosário


Esta publicação pertence à categoria Poesia. Todos os textos publicados em forma de versos se encontram aqui. Sinta-se à vontade para conhecer os outros textos concernentes à esta categoria.

 

3 comentários:

Anderson Oliveira disse...

Gosto imensamente das tuas gotas de palavras... Hummm!!!

Rebeca dos Anjos disse...

Ai, que dor! Lembrei das minhas gérberas que vi mortas ontem! =(

Lindo poema, Lu. Sei que tem outras interpretações, que nem o significado de uma flor na nossa vida!

Beijo enorme!

Por que você faz poema? disse...

É preciso saber regar a flor da menina, sempre.

Copyright © 2014 | Design e C�digo: Sanyt Design | Tema: Viagem - Blogger | Uso pessoal • voltar ao topo