sexta-feira, 5 de abril de 2013

Em outro mar...


Às vezes a gente começa a perceber o porquê de alguns isolamentos e estranhamentos. Nem todo lugar nos cabe, não naquele momento. Chegadas abruptas e voltas de um cotidiano que se perdeu nunca foi tarefa fácil e é por isso que existe aquele ditado do peixe fora d´água, pois foi assim que me senti e nesse sentir-se assim, eu concluí o quão tímida eu posso ser. Mal olhava para os lados, não queria qualquer contato físico ou visual e não queria ser percebida nem vista. Estava em busca da transparência e do total anonimato, mas há coisas que são difíceis de conseguir. Depois, esqueceram-na por um tempo e ela percebeu o quanto estava sóbria e o quanto possuía lembranças de estudos e pesquisas ali realizados. Entretanto, a boca silenciou diante da timidez que de tão grande a invertera. Acabou-se o momento, saiu daquele mar que a inundava e seguiu em frente para ver se voltava a ser peixe como outros, sem receios.


4 comentários:

Beto Ribeiro disse...

Olá Lu, menina linda!!

"... Sonho até noites telepáticas,
para sanar em você, uma timidez fria
de olhar, sentir e calar, em saliva fina
o saber que diz por beijar..."
[Beto Ribeiro - O pedido]

srsrsrs Será que estamos escrevendo a 4 mãos?! hahahaha

Fã é sempre suspeito ao tecer comentários...

Beijo grandão linda flor da Bahia!!!

Beto

Rafaela Figueiredo disse...

Maravilha, Lu!
Me identifiquei muito. Tenho fases dessas... q vc descreveu bem.

Claudio Chamun disse...

:) muito tri.

Layla Silva disse...

Muito legal Lu (o poema e o blog).
Ficarei feliz em te seguir.
Abraços, menina, até mais.

Copyright © 2014 | Design e C�digo: Sanyt Design | Tema: Viagem - Blogger | Uso pessoal • voltar ao topo