terça-feira, 16 de abril de 2013

Embriagar, extravasar e perder-se

Algumas coisas nos marcam, como por exemplo a primeira cantada. Os homens são mais acostumados a esse mostrar-se encantado verbalmente, as mulheres não, pois normalmente são elas que ouvem os elogios, as provocações e os famosos pedidos. Já os homens são tão abertos quando o contexto é este que qualquer corpo feminino a lhes chamar atenção é motivo para que externalizem seus sentidos. Os homens são mais ágeis, mais descomprometidos (ou inconsequentes) quando a tentativa é essa e as mulheres são mais preocupadas, mais calculistas porque gostam apenas de acertar.

Mulheres, como eu, são observadoras, gostam de se mostrar interessantes e de alcançar os seus objetivos aos poucos e na manha. Entretanto, há que se ter em algum momento uma cantada - foi isso o que aconteceu e me desconsertou porque eu não acertei. Vejamos: Senti atração, senti aquela dúvida, abortei a ideia de tentar porque tanto fazia ou não - não sabia. Senti vontade, embriagada, tentei e caí de leve. Digo isso porque há um fator preponderante no momento da  famigerada cantada: bebida. Quem bebe, fica destemida, se larga, se permite e age por impulsos e agir por impulso nem sempre é tão bom, além das atitudes que não competem com o que se é.

A bebida, normalmente, relaxa e permite ao consumidor socializar. Quando em excesso, ela atua de uma forma mais inesperada, aceitando que se fale e aja de formas diferentes do comum porque a consciência perde certas barreiras e algumas coisas acontecem sem que se pense e julgue antes. Nesse contexto surgem as tais cantadas. As mulheres querem e partem para o ataque, querem usar sua lábia e igualar-se aos homens [adoro isso!]. Entretanto, cantadas e ficadas após embebedar-se não são as melhores ideias a depender das circunstâncias. No meu caso foi bem complicado.

Então, meninas, sosseguem o facho. Curtir a bebedeira não é entrar em um estado de piriguetagem tão grande assim não. Curtir a bebedeira é se sentir mais livre, nem toda liberdade se confunde com saturação sexual [pornografia/vulgaridade, diria]. Da próxima vez eu já sei - vou me largar, mas serei mais firme em minhas convicções e fiel a mim, afinal de contas, embriagar-se não é perder-se em si, pelo contrário, pode ser um ato de se encontrar.


5 comentários:

Claudio Chamun disse...

As mulheres querem e partem para o ataque, querem usar sua lábia e igualar-se aos homens [adoro isso!].
EU TAMBÉM - RSSS.
Eu amo quando uma mulher toma a iniciativa. Faz bem para o ego.

Da próxima vez, beba menos e solte-se mais - rsss.

Almi Junior disse...

Mulher independentes, desinibidas e sem frescura: o mundo precisa de vocês!

Claro, sem ser atirada ou exagerada em tudo, tudo na dose certa faz momentos inesquecíveis.

Layla Silva disse...

Já foi-se o tempo em que as mulheres esperavam os homens tomarem iniciativa. Agora estamos cada vez mais independentes e sem frescuras como disse Chamun.
Gostei especialmente dessa frase: "Curtir a bebedeira não é entrar em um estado de piriguetagem tão grande assim não."
Tem que ter limites para tudo. Senso de rídiculo é uma arma importante ;)
http://daquioitentaanos.blogspot.com.br/

Janaina Cruz disse...

Luzita, aff, sou tão tímida que pra não conseguiria ter uma atitude mais ousada de "cantar", isso não é nada bom viu?! Pois nunca soube se seria boa ou não nesse quesito... rs

Cantar o marido conta? Se contar já to somando os pontos aqui, devo ser boa nisso... kkkkk

Menina, as vezes gosto de beber pra me libertar mesmo, mas nunca dá certo, qualquer quantidade me faz rir a toa, e depois vem logo aquela dor de cabeça insuportável... Ninguém merece viu?!

Mil beijos pra ti minha querida, tudo de melhor que houver...

Rafaela Figueiredo disse...

Eu costumava beber para desinibir tb. Hj em dia ando evitando álcool(por questões alérgicas)... :/ rs

bjs

Copyright © 2014 | Design e C�digo: Sanyt Design | Tema: Viagem - Blogger | Uso pessoal • voltar ao topo