terça-feira, 11 de dezembro de 2012

Tarsila


Tarsila tinha problemas, tantos e tantos que não sabia por onde e como saná-los. Eram dívidas e retardos de épocas em que fazer aquilo era a melhor opção. Sua vida parecia um poço de problemas que não podiam mais ser adiados. Tarsila pensava e repensava cotidianamente em formas e em traços desfocados, achava que a partir dos contrastes encontraria a exatidão. Menina, reconhecia-se mulher, e não sabia mais o que era ter a cabeça livre e o coração aberto. Seu coração, coitada, já havia sido algumas vezes massacrado e vivia armado contra outros repentinos acessos. Tarsila dizia permitir a vida seguir seu curso, mas tinha medo de paixões avassaladoras. Disponibilizava-se, retraindo seus impulsos e acelerando seus pensamentos na busca da racionalidade. Tarsila tinha muitos problemas que, quem a via, descobria. Apesar dos seus pesares, sabia que uma decisão poderia ser a melhor: viajar. Viajar sem avisar à ninguém, sem deixar bilhete, sem passar endereço, sem precisar ligações. Viajar para esquecer do mundo, do fundo de onde veio. Viajar.  Pensava em abrir os braços, sentir outros ares e realmente se deixar levar. Viajar sozinha e sem direção.  No entanto, a razão a trazia à realidade e sabia que tal decisão não lhe seria possível porque viajar sozinha poderia lhe dar tédio e exigiria dinheiro.  Mudando de planos, Tarsila não podia deixar de desejar tanto o encontro consigo mesma. Então, pensava em viajar em curto período de tempo e acompanhada de alguém que lhe fizesse bem. Dessas viagens para rir, sair da rotina e esquecer um pouco de tudo. Dessas para não ter que ver as pessoas de sempre, para não ter que falar nem ouvir telefone tocar, nem entrar em facebook e nas internetes da vida. Dessas para ficar uma hora ao lado outro sem dizer uma palavra e, nesse intervalo, dizer tudo. Queria era jogar-se e, por dois dias, sentir o infinito em suas mãos. O que ela não sabia era que mais do que isso, seu nome significava "corajosa" e para tudo o que lhe faltava, bastava acrescentar coragem e otimismo às possibilidades dos seus devaneios.

 
 Lu Rosário



Esta publicação pertence ao Prosas Poéticas. Todos os textos publicados em forma de prosa e contada de forma poética se encontram aqui. Sinta-se à vontade para conhecer os outros textos concernentes à esta categoria.

  

7 comentários:

Hugo Paolla disse...

Gente megaaaaaaaaaaaaaaa perfeito!!!!! Amei!!!

Paolla.

Anderson Oliveira disse...

Tarsila era comum, Tarsila era mulher.

* Simoni * disse...

Ainda acredito na Tarcila, seu nome coragem não é por acaso! Até já disse isso a ela, se ela quer, ela pode!

CORAÇÃO QUE PULSA disse...

"Sentir o infinito em suas mãos..."

É só disso que precisamos.
Beijos.
Fica com DEUS.

Rafaela Gomes Figueiredo disse...

Nossa... senti-me tão Tarsila.
E este texto tão clariceano...
Lindo!

Bjos

Paulo_Sotter disse...

Não basta saber o que se precisa, é necessário por em prática. Pé na estrada Tarsila, Coragem e Otimismo a seus sonhos, o resto a vida se encarrega de preencher.

Mayara Cruz disse...

Ótimo texto, devemos ter coragem para enfrentar o inusitado, devemos dar tempo ao tempo, ele ajuda a curar mágoas e repor as energias. A vida é uma constante mudança, mas é tão linda e complexa.

beijoos

Copyright © 2014 | Design e C�digo: Sanyt Design | Tema: Viagem - Blogger | Uso pessoal • voltar ao topo